O ressurgimento da Filosofia…. por quê??

O melhor motivo para o ressurgimento da filosofia é que a menos que um homem tenha uma filosofia, certas coisas horríveis acontecerão a ele. Ele será prático; ele será progressista; ele cultivará a eficiência; ele acreditará na evolução; ele realizará o trabalho dele mais próximo e imediato; ele se devotará a feitos, não a palavras. Assim, atingido por rajadas e mais rajadas de estupidez cega e destino aleatório, ele caminhará trôpego para uma morte miserável, sem nenhum conforto, exceto uma série de slogans; tais como esses que cataloguei acima. Essas coisas são simples substitutos dos pensamentos. Em alguns casos, eles são pedaços esparsos do pensamento de alguém. Isso significa que um homem que se recusa a ter sua própria filosofia não terá nem mesmo a vantagem de uma fera, a de ser deixado à mercê de seus próprios instintos. Ele terá apenas os esgotados fragmentos de alguma filosofia alheia; o que as feras não precisam herdar; daí sua felicidade.

Os homens sempre têm uma de duas coisas: ou uma completa e consciente filosofia ou uma inconsciente aceitação de fragmentos dispersos de alguma incompleta, devastada e, freqüentemente, desacreditada filosofia. Esses fragmentos dispersos são as frases que eu citei: eficiência, evolução etc. A idéia de ser “prático”, em si mesma, é tudo que resta de um Pragmatismo que não se sustenta. É impossível ser prático sem uma Pragma. E o que aconteceria se você abordasse o próximo homem prático que encontrasse e dissesse ao pobre pateta: “Onde está sua Pragma?” Fazer o trabalho mais próximo e imediato é um nonsense óbvio; mesmo assim, isso é repetido em muitos almanaques. Em noventa por cento dos casos, isso significaria fazer o trabalho a que você menos se adequasse, tal como limpar janelas ou esmurrar um policial.  “Feitos em vez de palavras” é, em si mesmo, um excelente exemplo de “Palavras em vez de pensamentos”. Jogar uma pedra no lago é um feito e mandar um preso para a forca é uma palavra. Mas, há palavras verdadeiramente fúteis; quase inteiramente delas consiste esse tipo de jornalismo científico popular e filosófico.
Alguns têm medo de que a filosofia os entediará ou os confundirá; a razão é que eles não pensam apenas numa série de longas palavras, mas também num novelo de complicadas noções. Essas pessoas deixam de perceber toda a natureza da atual situação. Esses são os males que já existem; principalmente pelo desejo de uma filosofia. Os políticos e os jornais estão sempre usando longas palavras. Não se constitui em uma completa consolação o fato de eles as usarem erradamente. As relações políticas e sociais já são desesperadamente complicadas. Elas são muito mais complicadas do que qualquer página de metafísica medieval; a única diferença é que os medievalistas podiam desembaraçar o novelo e entender as complicações; os modernos não podem. As principais coisas práticas atuais, como corrupção financeira e política, são enormemente complicadas. Nos contentamos em tolerá-las porque nos contentamos em não entendê-las, em vez de compreendê-las. O mundo dos negócios precisa de metafísica – para simplificá-lo.
Eu sei que essas palavras serão recebidas com escárnio, e com a reafirmação mal-humorada de que não é momento para nonsense e paradoxo; e que o que é realmente desejável é um homem prático para ir em frente e limpar toda a bagunça. E um homem prático, sem dúvida, aparecerá, um de uma sucessão interminável de homens práticos; e ele, sem dúvida, irá em frente, e talvez “limpará” alguns milhões para si próprio e deixará uma bagunça maior ainda; tal como os homens práticos anteriores fizeram. A razão é perfeitamente simples. Esse tipo de pessoa excessivamente rude e sem consciência sempre aumenta a confusão; porque ela está à mercê de diferentes motivos ao mesmo tempo; e ele não os distingue. Um homem tem, já totalmente entrelaçado em sua mente, (1) um desejo entusiástico e humano por dinheiro, (2) um desejo pedante e superficial de estar progredindo, ou indo pelo caminho de todo mundo, (3) um desconforto por ser considerado muito velho para se relacionar com os jovens, (4) uma certa quantidade de um vago, mas genuíno, patriotismo ou espírito público, (5) uma incompreensão do erro cometido pelo Sr. H. G. Wells, na forma de um livro sobre a Evolução. Quando um homem tem todas essas coisas dentro de sua cabeça e nem sequer tenta resolvê-las, ele é chamado, pelo consenso e aclamação geral, um homem prático. Mas do homem prático não se pode esperar algum aprimoramento em relação à impraticável confusão; pois, ele não pode sequer organizar a confusão de sua própria mente, o que dizer de sua altamente complexa comunidade e civilização. Por alguma estranha razão, é comum dizer que esse tipo de homem prático “sabe o que faz”. É claro que isso é exatamente o que ele não sabe. Ele pode, em alguns casos felizes, conhecer o que ele quer, como um cachorro ou um bebê de dois anos; mas mesmo assim, ele não sabe o porquê de seu desejo. E é o porquê e ocomo que deve ser considerado quando estamos elucidando a razão de uma cultura ou tradição ter se tornado tão confusa. O que precisamos, como os antigos entenderam, não é um político que é um negociante, mas um rei que é um filósofo.
Peço desculpas pela palavra “rei”, que não é estritamente necessária no contexto; mas eu sugiro que seria uma das funções do filósofo ponderar sobre tais palavras e determinar se elas têm ou não importância. A República Romana e todos os seus cidadãos tinham um horror enorme da palavra “rei”. Como conseqüência eles inventaram e nos impuseram a palavra “imperador”. Os grandes republicanos que fundaram a América também tinham horror da palavra “rei”; que depois reapareceu com a especial qualificação de um Rei do Ferro, um Rei do Petróleo, um Rei do Porco, ou outros monarcas similares, feitos de materiais semelhantes. O negócio de um filósofo não é necessariamente condenar a inovação ou negar a distinção. Mas é sua tarefa perguntar-se exatamente o que é que ele ou os outros desgostam na palavra “rei”. Se o que ele desgosta é um homem usando um casaco cheio de manchas, feito de pele de um animal chamado arminho, ou um homem que tinha um anel de metal colocado sobre sua cabeça por um clérigo, ele terá de decidir. Se o que ele desgosta é que tal casaco ou tal poder seja passado de pai para filho, ele perguntará se isso ocorre nas condições comerciais correntes. Mas, de qualquer forma, ele terá o hábito de testar a coisa pela reflexão; por meio da idéia de que gosta ou desgosta; e não meramente pelo som da sílaba ou a aparência das letras da palavra.
Filosofia é meramente pensamento que foi cuidadosamente considerado. É, freqüentemente, muito enfadonho. Mas, o homem não tem alternativa, exceto entre ser influenciado pelo pensamento refletido ou ser influenciado pelo pensamento irrefletido. O último é o que comumente chamamos, hoje, de cultura e erudição. Mas o homem é sempre influenciado por pensamento de algum tipo, seu próprio ou de alguém; de alguém que ele confia ou de alguém de quem ele nunca ouviu falar, pensamento de primeira, segunda ou terceira mão; pensamento de lendas esquecidas ou de rumores não confirmados; mas sempre algo com a sombra de um sistema de valores e uma razão para preferência. Um homem testa qualquer coisa por meio de alguma coisa. A questão aqui é se ele alguma vez testa o teste.
Tomarei um exemplo, entre milhares que poderia escolher. Qual é a atitude de um homem comum ao ser informado sobre um evento extraordinário: um milagre? Quero dizer um tipo de coisa que é informalmente chamado de sobrenatural, mas que deveria ser chamado propriamente de preternatural. Pois, a palavra sobrenatural aplica-se somente ao que é mais elevado que o homem; e muitos milagres modernos são como se viessem de um lugar consideravelmente inferior. De qualquer forma, o que os homens modernos dizem quando se confrontam com algo que, aparentemente, não pode ser explicado naturalmente? Bem, a maioria dos homens modernos diz asneira. Quando uma tal coisa é mencionada, em romances e em histórias de jornais ou revistas, o primeiro comentário que se ouve é, “Mas, meu caro amigo, este é o século XX!” Vale a pena ter um pequeno treino em filosofia, se não por outras razões, pelo menos para não parecer tão surpreendentemente idiota. A afirmação tem, no todo, muito menos sentido ou significado do que, “Mas, meu caro amigo, estamos numa tarde de terça-feira.” Se milagres não podem acontecer, eles não acontecem nem no século XX, nem no século XII. Mas se eles podem acontecer, ninguém pode provar que em algum momento determinado eles não possam acontecer. O melhor que pode ser dito para um cético é que ele não pode explicar o que ele quer dizer, e portanto, o que quer que ele queira dizer, ele não pode explicar o que diz. Mas se ele somente quer dizer que se poderia acreditar em milagres no século XII, mas que não se pode acreditar neles no século XX, então, ele está errado novamente, tanto em teoria quanto em fatos. Ele está errado em teoria, porque um inteligente reconhecimento de possibilidades não depende de datas mas de filosofia. Um ateu poderia ter desacreditado em milagre no primeiro século e um místico poderia continuar a acreditar em milagres no século XXI. E ele está errado em fatos, porque há fortes indícios que haverá muito misticismo e um grande número de milagres no século XXI; e há, certamente, um crescente número deles no século XX.
Exemplo de uma reunião para práticas espíritas, comum entre as classes médias e ricas no famoso – porém, pouco estudado – renascimento do neopaganismo na Europa e nos EUA, em fins do século XIX e primeira metade do século XX.
Mas, eu tomei aquela primeira resposta superficial porque há um significado no mero fato de que ela apareça em primeiro lugar; e sua própria superficialidade revela algo do subconsciente. É uma resposta quase automática; e palavras ditas automaticamente são de alguma importância em psicologia. Não sejamos tão severos com o valoroso cavalheiro que informa seu caro interlocutor que este é o século XX. Nas profundezas misteriosas de seu ser, mesmo aquela enorme asneira significa realmente alguma coisa. A questão é que ele não pode explicar o que ele quer dizer; e este é o argumento para uma melhor educação em filosofia. O que ele realmente quer dizer é algo como, “Há uma teoria a respeito desse misterioso universo para a qual mais e mais pessoas ficaram inclinadas durante a segunda metade do século XVIII e a primeira metade do XIX; e até este ponto pelo menos, essa teoria cresceu com um crescente número de invenções da ciência às quais devemos nossa presente organização – ou desorganização – social. Essa teoria afirma que causa e efeito têm, desde o início, operado numa seqüência ininterrupta como um destino fixo; e que não há nenhuma vontade por atrás ou no interior desse destino; de tal forma que ele deve trabalhar na ausência de tal vontade, como uma máquina deve funcionar sem a presença de um homem. Havia mais pessoas no século XIX que acreditavam nessa particular teoria do universo do que havia no século IX. Eu mesmo acredito nela; e portanto eu, obviamente, não posso acreditar em milagres.” Isso faz completo sentido; mas também faz a contra-afirmação; “Eu não acredito nela; e portanto eu, obviamente, acredito em milagres.”
A vantagem de um hábito filosófico elementar é que ele permite a um homem, por exemplo, entender uma afirmação como esta, “O fato de poder ou não poder haver exceções a um processo depende da natureza do processo”. A desvantagem de não ter esse hábito é que um homem se tornará impaciente mesmo com um truísmo tão simples; e chama-lo-á lixo metafísico. Ele, então, disparará a seguinte afirmação: “Não se podem ter tais coisas no século XX”; o que é realmente um lixo. Mesmo assim, a última afirmação pode ser explicada a ele em termos suficientemente simples. Se um homem vê as águas de um rio caminhando rio abaixo, ano após ano, ele terá razão em considerar, podemos dizer em apostar, que isso acontecerá até que ele morra. Mas, ele não terá razão em dizer que as águas do rio não podem caminhar rio acima, até que ele saiba porque elas correm rio abaixo. Dizer que isso acontece por causa da gravidade responde a questão física mas não a filosófica. Somente se repete que há uma repetição; não se toca na questão mais profunda sobre se essa repetição pode ser alterada por algo proveniente do exterior. E isso depende da existência de algo no exterior. Por exemplo, suponha que um homem tenha visto o rio apenas num sonho. Ele poderia ter sonhado noventa e nove sonhos, sempre se repetindo e sempre com as águas fluindo rio abaixo. Mas, isso não evitaria que o centésimo sonho pudesse mostrar o rio subindo a montanha; porque o sonho é um sonho, e há algo exterior a ele. Mera repetição não prova realidade ou inevitabilidade. Devemos conhecer a natureza da coisa e a causa da repetição. Se a natureza da coisa é uma Criação, e a causa da coisa um Criador, em outras palavras, se a própria repetição é somente a repetição de algo desejado por uma pessoa, então, não é impossível para essa mesma pessoa desejar uma coisa diferente. Se um homem é um idiota para acreditar num Criador, então ele será um idiota para acreditar num milagre; mas não ao contrário. Ao contrário, ele é simplesmente um filósofo que é consistente com sua filosofia.
Um homem moderno é livre para escolher qualquer uma das filosofias. Mas, a verdadeira questão do homem moderno é que ele não conhece nem mesmo sua própria filosofia, mas somente sua própria fraseologia. Ele pode somente responder à próxima mensagem produzida pelo espiritualista, ou à próxima cura atestada por doutores em Lourdes, com a repetição do que são, geralmente, nada mais que frases; ou são, na melhor das hipóteses, preconceitos.
Assim, quando um brilhante homem como o Sr. H. G. Wells diz que tais idéias sobrenaturais se tornaram impossíveis para “pessoas inteligentes”, ele não está (neste caso) falando como uma pessoa inteligente. Em outras palavras, ele não está falando como um filósofo; porque ele não está nem mesmo dizendo o que ele quer dizer. O que ele quer dizer não é “impossível para homens inteligentes”, mas, “impossível para monistas inteligentes”, ou, “impossível para deterministas inteligentes”. Mas, não é uma negação da inteligência afirmar qualquer concepção lógica e coerente de um mundo tão misterioso. Não é uma negação da inteligência pensar que toda experiência é um sonho. Não é pouco inteligente pensá-la como uma ilusão, como alguns budistas fazem; muito menos pensá-la com um desejo criativo, como fazem os cristãos. Estamos sempre ouvindo que os homens não devem manter as divisões tão pronunciadas de suas religiões. Como um passo imediato em direção ao progresso, é mais urgente que eles sejam mais claros e mais pronunciadamente divididos em suas diferentes filosofias.

Diferenças irreconciliáveis entre o Cristianismo e o Islamismo

No início da década de 80, três irmãos – todos muçulmanos ativos e devotos, filhos de um líder da fé islâmica – entregaram a vida ao Senhor Jesus Cristo. Em relação à sua conversão, eles escreveriam, mais tarde: “Nós não mudamos de religião. O sangue de Jesus nos salvou […]. O que ocorreu foi o gracioso ato divino da redenção”.

O pai os repudiou. “Poderia ter sido pior” – escreveram eles – “De acordo com a hadith 9.57, nós três deveríamos ter sido mortos”. Eles só voltaram a ver o pai dezessete anos depois, em 1999, quatro dias antes da morte dele. E ele morreu muçulmano.

Hoje em dia, Ergun e Emir Caner são professores cristãos de história eclesiástica e teologia, e autores de um livro extraordinário, intitulado Unveiling Islam (Revelando o Islã, Kregel Publications). O livro está repleto de informações históricas sobre Maomé e a fé islâmica, e esclarece de forma brilhante as diferenças irreconciliáveis entre o cristianismo e o islamismo.

Maomé versus Jesus

Aos quarenta anos, Maomé começou a ter convulsões, e afirmava que foi através delas que recebeu a revelação de Deus (Alá), por meio do anjo Gabriel. Porém, ele tinha um “medo mortal” da fonte dessa revelação e achava estar possuído por demônios. Foi sua esposa que o convenceu do contrário.

Os Caner escrevem: “As dúvidas de Maomé são perturbadoras. Será que um autêntico profeta de Deus duvidaria da fonte de sua revelação? […] Certamente nenhum dos genuínos profetas da Bíblia atribuiu a revelação de Deus aos demônios”.

Maomé incumbiu todo muçulmano de empreender a guerra santa, a jihad. Em 627, na cidade de Medina, ele ordenou que 800 judeus fossem enterrados numa trincheira com as cabeças para fora, sem a menor possibilidade de reação, e depois decapitados, “um procedimento que levou um dia inteiro e prosseguiu pela noite adentro […]. Jesus, por sua vez, não ordenou as cruzadas assassinas” – declararam os Caner. “Maomé era desumano na batalha […]. Porém, a única vida que Jesus Cristo entregou voluntariamente foi a Sua própria. Seu caráter demonstra compaixão contínua e incontestável. Maomé, por outro lado, era imprevisível e hostil aos que se recusavam a segui-lo”.

“vós que credes, combatei os descrentes que estão próximos de vós. E que sintam dureza em vós! E sabei que Deus está com os piedosos” (sura 9.123).

Os Caner continuam:

Ele matava seus críticos por expressarem seu pensamento, ordenou o espancamento de uma mulher para obter informações e manteve relações sexuais com uma criança de nove anos. Além disso, era um general sanguinário e atacava caravanas apenas para conseguir dinheiro para a expansão de seu movimento. Ele chegou até a quebrar as regras de guerra, comandando um ataque durante um mês sagrado.

Maomé “raramente conseguia uma conversão que não fosse através de coação”. Além disso, confiava em suas próprias boas obras para chegar ao céu, e ordenou aos muçulmanos: “…matai os idólatras onde quer que os encontreis” (sura 9.5). Foi ele que fez constar do Corão a ordenança para a execução, crucificação, mutilação ou exílio de qualquer um que fizesse “guerra a Deus (Alá) e a seu Mensageiro…” (sura 5.33).

Ao contrário do cristianismo, o islamismo não tem o conceito de um relacionamento pessoal com Deus, e a ênfase que Jesus dava ao amor é completamente estranha ao islã: “O amor não entra na equação, pois a religião muçulmana está fundamentada no senso de dever e no desejo de receber a recompensa” – afirmam os Caner. Enquanto a Bíblia ensina “Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem” (Mateus 5.44), os muçulmanos são ensinados a odiar os inimigos de Alá (como faz o próprio Alá), e o Corão promete o paraíso a todos os que morrerem lutando pelo islã.

Lutar até a morte

O Corão ensina seus seguidores a lutar até que o islamismo domine o mundo:

“Que combatam pela causa de Deus (Alá) os que trocam esta vida terrena pela vida futura! Pois quem combater pela causa de Deus, quer sucumba quer vença, conceder-lhe-emos grandes recompensas” (sura 4.74).

“Os crentes combatem na senda de Deus (Alá); os descrentes combatem na senda do ídolo Tagut. Combatei, pois, os aliados do demônio. A astúcia do demônio é ineficaz” (sura 4.76).

“Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, matai os idólatras onde quer que os encontreis, e capturai-os e cercai-os e usai de emboscadas contra eles” (sura 9.5)

“Combatei-os: Deus (Alá) os castigará por vossas mãos e os humilhará e vos dará a vitória sobre eles…” (sura 9.14).

“Dos adeptos do Livro, combatei os que não crêem em Deus nem no último dia e nem proíbem o que Deus (Alá) e seu Mensageiro proibiram e não seguem a verdadeira religião – até que paguem, humilhados, o tributo” (9.29).

“Mas o Mensageiro e os que creram lutaram com seus bens e sua vida. A abundância e a vitória lhes pertencerão” (sura 9.88).

“vós que credes, combatei os descrentes que estão próximos de vós. E que sintam dureza em vós! E sabei que Deus está com os piedosos” (sura 9.123).

“Quando, no campo da batalha, enfrentardes os que descrêem, golpeai-os no pescoço. Depois, quando os tiverdes prostrado, apertai os grilhões. Depois, outorgai-lhes a liberdade ou exigi deles um resgate, até que a guerra descarregue seus fardos. Se Deus (Alá) quisesse, Ele mesmo os teria derrotado. Mas Ele assim determinou para vos provar uns pelos outros. E não deixará perder-se o mérito dos que morrem por sua causa” (sura 47.4).

“Deus ama os que combatem por Ele em fileiras semellhantes a uma parede bem construída” (sura 61.4).

“Foi Ele que enviou o Seu Mensageiro com a orientação e com a religião verídica para que a fizesse prevalecer sobre todas as outras religiões, ainda que isso desgoste os idólatras” (sura 61.9).

Realmente, estão bem claras as diferenças irreconciliáveis entre o cristianismo e o islã! (Israel My Glory – Elwood McQuaid – http://www.beth-shalom.com.br).

Fonte: Beth-Shalom

Europa coloca suas igrejas vazias à venda

gospel
Em diversos países da Europa é possível encontrar igrejas sendo vendidas ou ver os espaços sendo ocupados por empresas. Desocupar os grandes templos foi a única decisão que as igrejas – católicas ou protestantes – puderam tomar diante da queda do número de fiéis.

Sem ter membros para frequentar as reuniões e sem arrecadar dinheiro para manter esses espaços, “passar o ponto” foi a única escolha que restou.

A Igreja de St. Joseph, na Holanda, por exemplo, se transformou no Arnhem Skate Hall. Ali dezenas de skatistas realizam manobras radicais em um espaço onde antes cerca de 1.000 fiéis se juntavam para rezar.

Quem ainda preserva a fé se emociona ao ver que as igrejas estão sendo ocupadas para outras funcionalidades. “Se a igreja for abandonada, veremos uma grande mudança em nosso país”, diz Lilian Grootswagers, moradora de Arnhem que tentou salvar uma igreja que foi fechada.

Quando o templo é alugado e empresa ou entidade que loca não consegue custear o espaço ele acaba sendo demolido e vendido para a construção de outros pontos (comerciais ou residenciais), mas demolir pontos históricos tem desagradado até mesmo os moradores seculares (população cada vez maior) na Europa.

A Holanda é um dos países onde o fechamento de igrejas é mais constante, a estimativa é que nos próximos dez anos 1.600 igrejas católicas devem ser fechadas e 700 protestam deixarão de existir em quatro anos.

“Os números são tão grandes que toda a sociedade será confrontada por eles. Todo mundo será confrontado com grandes construções vazias na vizinhança”, diz Lilian que fundou a ONG “Futuro do Patrimônio Religioso”.

Algumas igrejas que já foram fechadas na Holanda se tornaram empreendimentos como supermercado, floricultura, livraria, academia de ginástica e até loja de roupas femininas.

Europa sem cristianismo

O cristianismo perdeu forças na Europa, enquanto que o judaísmo ortodoxo continua estável. Segundo o Instituto Pew Research Center a imigração tem feito com que o número de muçulmanos aumente na região chegando a atingir 6% da população em 2010.
Além da Holanda igrejas na Inglaterra também estão fechando, uma delas funciona hoje como Circomedia, uma escola de treinamento de circo. O espaço hoje usado para criar malabaristas e palhaços já foi chamado de Igreja de St. Paul localizada em Bristol.

Na Escócia, mais precisamente em Edimburgo, uma igreja luterana se transformou em um bar, mas não trata-se de um pub comum naquela região, mas sim um bar temático sobre o Frankenstein.

Fonte: GP

Consciência Cristã (na Paraíba) promoverá Encontro Internacional de Cientistas

O 17º Encontro para uma Consciência Cristã será marcado pela estreia de novos eventos paralelos, e um deles é 1º Encontro Internacional de Cientistas Cristãos. Este evento paralelo acontecerá entre os dias 14 e 17 de fevereiro, todas as tardes, na Igreja Presbiteriana Central de Campina Grande (PB). Para esse evento, já foi confirmada a presença de Josh McDowell, apologista norte-americano, além de Marcos Eberlin, Adauto Lourenço e Ricardo Marques.

Josh McDowell é um apologista, evangelista e escritor cristão evangélico norte-americano. Com mais de 70 livros publicados, algumas das suas obras mais conhecidas são Mais que um Carpinteiro, Evidência que Exige um Veredito e A Testemunha. Bem conhecido como um orador articulado, Josh já ministrou para mais de 25 milhões de pessoas, dando mais de 26 mil palestras em 125 países.

Fora Josh McDowell, outros três palestrantes estão confirmados para o evento, a exemplo de Adauto Lourenço. Ele que é autor de vários livros, entre eles “Gênesis 1 e 2″ e “Como tudo começou” da Editora Fiel, Adauto Lourenço é formado em Física pela Bob Jones University, nos Estados Unidos, e possui Mestrado pela Clemson University, USA. É conferencista internacional, está envolvido ativamente com o Criacionismo Científico, e faz palestras em Igrejas, Conferências, Escolas e Universidades no Brasil, Portugal, Estados Unidos e África.

Marcos Eberlin também palestrará durante 1º Encontro Internacional de Cientistas Cristãos . Ele é Doutor em Química pela UNICAMP. Ele fez seu pós-doutorado no Laboratório Aston de Espectrometria de Massas da Universidade de Purdue, USA. Atualmente, é professor titular da UNICAMP, onde coordena o Laboratório ThoMSon de Espectrometria de Massas. Eberlin também é membro da Academia Brasileira de Ciências e comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico. Ganhador de vários prêmios importantes, como Zeferino Vaz de Reconhecimento Acadêmico e Scopus – Capes de excelência em publicações e formação de pessoal, o químico preside a Sociedade Internacional de Espectrometria de Massas, além de ser editor associado do periódico Advances da Royal Society of Chemistry.

Marcos Eberlin já publicou cerca de 450 artigos científicos com mais de 6000 citações em áreas diversas da Química e Bioquímica, e Ciências dos Alimentos, Farmacêutica e dos Materiais.

Por último, Ricardo Marques, biólogo, mestre em Ciência pela UFC. Paleontólogo, cadastrado no Directory of Palaeontologists of the World. Zoólogo, astrobiólogo pela University of Edinburg, biólogo forense, membro da International Crime Scene Investigators Association. Perito ambiental, consultor Classe 5.0 (registro técnico-federal/IBAMA). Psicanalista clínico e neuropsicólogo, membro da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento (SBNeC) e da International Mind, Brain and Education Society (IMBES). Educador, pesquisador, professor universitário e conferencista.

Autor de várias publicações, inclusive artigos e livros científicos e materiais didáticos e paradidáticos. Analista de inteligência, membro da Associação Brasileira dos Analistas de Inteligência Competitiva (ABRAIC). Um dos fundadores e coordenador do Núcleo Cristão de Informação – NCI.

As palestras discutirão temas controversos da ciência, dentro de uma perspectiva acadêmica e cristã. O objetivo é demonstrar que a ciência não é fonte de conhecimentos absolutos, já que ela muda a todo momento, mas que, se ela for abordada de forma honesta, não entrará em contradição com o que é ensinado nas Escrituras.

Para assistir a todas as palestras da Consciência Cristã, que acontecerá no Complexo do Parque do Povo, em Campina Grande, o participante deverá fazer gratuitamente a sua inscrição. Esta inscrição pode ser realizada online no site do evento (www.conscienciacrista.org.br).

Fonte: Gospel Prime

Egito proíbe veiculação do filme “Êxodo: Deuses e Reis” por mostrar visão “distorcida”

As autoridades egípcias proibiram a exibição em todos os cinemas do país do filme americano “Êxodo: Deuses e Reis”, que narra a vida de Moisés no Egito, por contar uma história “distorcida”.

O chefe da censura, Abdel Sattar Fathi, explicou nesta quinta-feira ao jornal “Al Watan” que uma comissão viu uma cópia do filme e concluiu que a produção “tenta transferir informação distorcida de cenas religiosas e históricas”.

Fathi lamentou que o filme determine que “os judeus estiveram envolvidos na construção das pirâmides de Guiza como povo eleito por Deus” e que passe a imagem que os egípcios são “demagogos” e que “torturaram” os seguidores do judaísmo.

Outro dos motivos que levaram à censura é que o filme “mostra o divino através da encarnação de Deus na foto de um bebê” e tenta “manipular” o Corão, segundo Fathi.

“Êxodo: Deuses e Reis”, dirigido por Ridley Scott e protagonizado por Christian Bale, gira em torno da vida do profeta Moisés desde seu nascimento e recria a história da libertação do povo hebraico no Antigo Egito.

No último mês de março, a instituição religiosa Al-Azhar, a mais prestigiada do islã sunita, pediu no Egito a proibição da projeção do filme “Noé”, com Russel Crowe, por considerá-lo contrário à lei islâmica.

Os filmes de certo conteúdo erótico ou religioso são examinados com lupa pela censura no Egito, que, da mesma forma que outros países árabes, costuma proibir aqueles projetos que considera que atentam contra a moral pública ou a doutrina islâmica.

Fonte: Yahoo!

Efeitos do secularismo na Inglaterra: para 20% das crianças inglesas, Jesus Cristo é um jogador de futebol

Para 20% das crianças inglesas, Jesus Cristo é um jogador de futebol
Uma pesquisa recente realizada pelo YouGov mostraram estatísticas reveladoras sobre a religião na Inglaterra, nação que já foi berço de grandes movimentos de fé.

Em resposta à pergunta “Qual é a sua religião?”, 40% dos adultos disse “nenhuma religião”, 55% eram cristãos e 5% de outras religiões. Contudo, entre os mais jovens, esses números mudam. Apenas 38% se consideram cristãos, enquanto 53% dizem não ter religião.

Um estudo realizado este mês para o Shopping Brent Cross entrevistou mil crianças inglesas. Vinte por cento delas acreditam que Jesus Cristo é um jogador do time de futebol Chelsea. Foi lhes perguntado “Quem é Jesus Cristo” e dadas as seguintes alternativas:

1. Um jogador do Chelsea
2. O Filho de Deus
3. Participante do programa X-Factor
4. Um astronauta

Curiosamente, existe na liga inglesa um jogador espanhol relativamente conhecido, chamado Jesus Navas. Porém, ele atua pela equipe do Manchester City.

A constatação de que muitas crianças acreditem que Jesus Cristo joga futebol não é o único achado preocupante. De acordo com os resultados, menos da metade afirmou que ele é o Filho de Deus. A pesquisa mostra ainda que 25% delas pensam que os pastores encontraram o bebê Jesus com a ajuda do Google Maps. Pouco mais de 10% dizem que Maria deu à luz em uma igreja. Questionadas sobre o que é comemorado no Natal, 52% das crianças entrevistadas acreditam que trata-se do aniversário do Papai Noel.

Esse estudo se alinha a outro, realizado pela Sociedade Bíblica Britânica no início de 2014, o qual revelou que 25% dos britânicos acredita que o Super-Homem, um dos heróis mais famosos dos quadrinhos é mencionado pela Bíblia. Ao mesmo tempo, cerca de 30% não sabia dizer onde na Bíblia aparecem as figuras de Adão e Eva, 50% não sabiam que a Arca de Noé é uma história bíblica, 60% nunca ouviu falar do milagre da multiplicação de pães e 90% não conhece o rei Salomão.

Fonte: GP

Pastor é expulso de “tenda dos milagres” neopentecostal por falar a pura e simples verdade do Evangelho (VÍDEO)

A “pastora” neo-pentecostal Danya estava com uma “tenda de milagres” em frente à Igreja Calvary Chapel, em St. Petersburg. Na “onda” milagreira, uma pessoa pde para falar e a “pastora” pensa que será um testemunho. A pessoa é o Pr. Scott Rodriguez, que pega o microfone, pede para as pessoas acordarem, orarem pela “pastora” e entenderem que o REAL MENSAGEM DO EVANGELHO É JESUS CRUCIFICADO, COMO REMISSÃO PELOS PECADOS DA RAÇA HUMANA. É claro que o “rebu” se forma e o Pr. é expulso da “tenda dos milagres”…..

Pentecostalismo: o mesmo que Neopentecostalismo?

Isso aconteceu em 2012, mas poucos brasileiros tiveram acesso à notícia, na época. O importante é destacar duas coisas: primeiro, Deus opera hoje como SEMPRE operou em todo o tempo. Dizer que Deus não opera por causa da palavra escrita (Bíblia) é tolice, e um preceito antibíblico. Entendo a aversão de alguns ante o “analfabetismo bíblico” que tomou conta de boa parte do evangelicalismo pentecostal desde início dos anos 1900. Mas, “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e será eternamente”, já nos diz o autor do livro aos Hebreus. Simplesmente NÃO HÁ NADA, NEM UMA ÚNICA PALAVRA na Bíblia que afirme, categoricamente, que “Deus mudaria a sua forma de agir”, isentando-se de curar, operar milagres, etc. Certos disto, vamos ao segundo ponto. O neopentecostalismo tem, sim, similaridades com o pentecostalismo. Há a palavra “pentecostalismo” em ambas. Vejo muitos pentecostais afirmarem que o neopentecostalismo “nada tem a ver” com o pentecostalismo. Não é assim. Sempre fui pentecostal. Isso não me impediu, jamais, de ser um apologista, professor de teologia e filosofia, e estar me doutorando em ambas as áreas. Isto não me impediu de dar cursos, seminários, palestras em ambientes “tradicionais”, “seculares” e “avivados”. Isto não me impede – até certo ponto – de bem transitar em todas as esferas do evangelicalismo, tendo amigos “tradicionais” e “pentecostais”. Isto também não me impede de admitir que o neopentecostalismo surgiu no seio do pentecostalismo… mas, também não me impede de aclarar o fato de que o sufixo “neo”, aí, como em muitos outros casos, faz uma ENORME diferença. Veja, por exemplo, o platonismo, de Platão, e o neoplatonismo, de Plotino. Há semelhanças…. é claro que o segundo surge do primeiro… mas são, também, radicalmente distintos. Vide o darwinismo e o neodarwinismo. Em suma, neodarwinistas baseiam-se no pressuposto darwiniano de que “houve uma evolução das espécies”. Mas, as semelhanças terminam por aí. As formas neodarwinistas de se conceber os saltos evolucionários mudam tanto a forma, que acabam por alterarem também o próprio conteúdo do darwinismo. Não é um caso apenas de “seleção natural”, de um modo geral, pois há propostas neodarwinistas que incluem até – vejam só – a intervenção extraterrestre em dado momento da história da vida na terra, enquanto outras apontam fatores intrínsecos à própria genética dos seres vivos. O “neo”, em todos os casos”, pode ser uma link muito, muito grande, entre o objeto atual e seu predecessor… e tão tênue, que quase não há mais como associar diretamente um com o outro, tornando-os correlatos. Os “neos” acabam por tomarem “vida própria”, sendo movimentos específicos, com características próprias, em cujos nomes está apenas as referências de onde vieram, mas, muitas vezes, com pouquíssimo ou nenhum compartilhamento entre si. O neopentecostalismo cresceu, formou suas próprias características, ergueu-se como um movimento próprio, hoje, tão distante de sua origem quanto possível. É por isso que essa distinção entre ambos os movimentos é importante. Chega a ser um ultraje, para muitos pentecostais históricos, como este que vos fala, ser taxado como pertencente ao movimento neopentecostal. Que este, por andar com suas próprias pernas, dê conta de seus próprios atos!